3.2 C
Peru
Tuesday, April 20, 2021

Pacheco diz que é preciso “respeitar o senso de urgência” da Câmara sobre 'PEC da impunidade'

Must read

Presidente do Senado evitou opinar sobre o teor da proposta justificando que quer aguardar a versão final

Julia Lindner

25/02/2021 – 16:29
/ Atualizado em 25/02/2021 – 16:30

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), durante coletiva de imprensa Foto: Marcos Brandão / Agência Senado
Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), durante coletiva de imprensa Foto: Marcos Brandão / Agência Senado

BRASÍLIA – O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou nesta quinta-feira que é preciso “respeitar o senso de urgência” da Câmara para votar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que muda as regras sobre a imunidade parlamentar na Câmara, após a prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ). O texto tem avançado a toque de caixa na outra Casa.

– Foi compreendido pelo presidente Arthur Lira (PP-AL) e pela Câmara como algo necessário, diante especialmente do episódio havido com o deputado federal Daniel Silveira, e nós temos que respeitar esse senso de urgência da Câmara. Vamos avaliar ao seu tempo no Senado Federal essa PEC – disse Pacheco a jornalistas.

Ele evitou se comprometer sobre a tramitação ou o teor da proposta, ponderando que a Câmara ainda pode fazer alterações no texto:

– Vamos aguardar a decisão da Câmara dos Deputados. É preciso se pronunciar depois que a Câmara decidir qual é o texto definitivo. Quando isso acontecer e chegar no Senado, o plenário vai decidir se mantém o texto, se sugere alguma modificação, acréscimo. Vamos deixar isso ao seu tempo.

Diante da iminente votação na Câmara, senadores começaram a reagir contra a proposta. Nas redes sociais, a senadora Simone Tebet (MDB-MS) antecipou que votará contra a medida caso ela chegue ao Senado:

– PEC da “impunidade” parlamentar cria “Suas Excelências, as Majestades”. Parlamentares NÃO poderão ser presos ou julgados pelo Judiciário nos casos estabelecidos na proposta. Transforma réus em Reis. Intocáveis. Absurdo. Inconstitucional. Afronta ao povo brasileiro. Voto NÃO – escreveu Simone.

O líder da Rede no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), também prometeu resistência. Segundo ele, “é inaceitável que em um momento difícil como o que o país está passando, com tantas prioridades, o Congresso queira votar uma PEC de blindagem de seus próprios membros”.

– Seria melhor chamar a proposta de PEC da impunidade parlamentar. Ela transforma os congressistas, os parlamentares em uma espécie de seres acima da lei e da ordem, acima dos demais cidadãos – declarou.

More articles

- Advertisement -

Latest article