-1.7 C
Peru
Friday, November 26, 2021

Líder do governo defende ampliar Bolsa Família como alternativa ao auxílio emergencial

Must read



Exclusivo para Assinantes

Segundo Ricardo Barros, programa deve ser reformulado com exigência de curso profissionalizante e desempenho de alunos

Geralda Doca

08/02/2021 – 13:05
/ Atualizado em 08/02/2021 – 13:08

O líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR) Foto: Jorge William / Agência O Globo
O líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR) Foto: Jorge William / Agência O Globo

BRASÍLIA – Diante da falta de recursos no orçamento, o líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR), defendeu a reformulação e ampliação do Bolsa Família, proposta defendida pelo Ministério da Cidadania, como alternativa ao auxílio emergencial.

Paulo Guedes:Ministro admite prorrogar benefício, mas quer ‘novo marco fiscal’

Segundo Barros, é preciso ampliar os recursos do Bolsa durante a aprovação da proposta de orçamento para zerar a fila do programa e incluir cinco milhões de famílias. 

— Está na hora de executar o plano do ministro Onyx (ministro da Cidadania), de exigir não só frequência escolar como também desempenho dos alunos, além de um curso profissionalizante —disse Barros ao GLOBO. 

O Bolsa Família atende 14,2 milhões de famílias e tem orçamento programado para este ano de R$ 34,8 bilhões. Além de incluir mais pessoas, o Ministério pretende aumentar o valor médio do benefício de R$ 192 para R$ 200.

Desafio: Desempregados contam como o fim do benefício dificulta a busca por uma vaga

Durante a vigência do auxílio emergencial no ano passado, os beneficiários receberam as parcelas do auxílio, que começou com parcelas de R$ 600 — valor que foi reduzido para R$ 300 entre setembro e dezembro.

Prefeituras devem fazer triagem

Barros afirmou ainda que será preciso passar um pente fino na lista das pessoas que receberam o auxílio emergencial porque bastou uma autodeclaração de renda para ter acesso ao benefício. Muita gente que não precisava recebeu, há casos de quatro, cinco pessoas da mesma família, disse. 

— Não temos como cortar aleatoriamente a lista do auxílio emergencial. Eu defendo que os benefícios sejam autorizados pelas prefeituras. A prefeitura verifica cada pedido, vai na residência e comprova se a pessoa precisa ou não — destacou.

Analítico: A receita de Guedes para lidar com o dilema do auxílio emergencial 

Segundo dados da Caixa, 68 milhões de pessoas recebem o auxílio emergencial, somando os beneficiários do Bolsa Família.  Ao todo, o governo desembolsou R$ 294,6 bilhões. 

Barros lembrou que o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem falado em atender um universo de 30 milhões de pessoas, mas que não há consenso nem no governo e nem no Congresso sobre a forma de renovar o auxílio emergencial, nem o valor do benefício:

— Não dá pra saber ainda, não tem proposta. A ideia do ministro Paulo Guedes, é criar o imposto de renda negativo.  Se você se esforçou e está ganhando R$ 500, eu te dou mais R$ 200 para que a pessoa declare que está ganhando R$ 500 para saber exatamente qual a renda da família.

Tributos: Em aceno a caminhoneiros, Bolsonaro vai reduzir PIS/Cofins e quer mudar ICMS sobre combustíveis 

Em publicação em rede social, o novo presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) disse que vai buscar uma solução junto ao Senado e à equipe econômica:

“Vamos ao Senado e ao Executivo discutir e construir uma política de auxílio viável para quem mais precisa”, publicou Lira.

spot_img

More articles

- Advertisement -

Latest article