29.3 C
Peru
Sunday, June 13, 2021

Lewandowski permite que 'Capitã Cloroquina' fique em silêncio sobre Manaus

Must read

Ministro do STF analisou pedido de reconsideração apresentado por Mayra Pinheiro

Mariana Muniz

21/05/2021 – 19:34
/ Atualizado em 21/05/2021 – 19:35

A médica Mayra Pinheiro: depoimento previsto na CPI Foto: Júlio Nascimento/PR / Agência O Globo
A médica Mayra Pinheiro: depoimento previsto na CPI Foto: Júlio Nascimento/PR / Agência O Globo

BRASÍLIA – O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou que a secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, conhecida como “capitã cloroquina”, fique em silêncio ao ser questionada sobre a atuação dela em Manaus durante a CPI da Covid-19 no Senado. O depoimento da secretária está marcado para o próximo dia 25.

O ministro atendeu a um pedido de reconsideração apresentado pela defesa de Pinheiro sobre a decisão dada por ele que negou a ela o direito de permanecer em silêncio durante a oitiva no Senado — por entender que ela não era alvo de investigação, e havia sido chamada à CPI na condição de testemunha.

A defesa da secretária, contudo, afirmou a Lewandowski que ela, assim como o general Eduardo Pazuello, responde a ação de improbidade administrativa apresentada pelo Ministério Público Federal no Amazonas. O processo apura as ações e omissões dos governos federal e estadual no colapso do sistema de saúde em Manaus.

Na decisão desta sexta, o ministro do STF afirmou que “diante das alegações e dos documentos agora apresentados, esclareço que assiste à paciente o direito de permanecer em silêncio – se assim lhe aprouver –quanto aos fatos ocorridos no período compreendido entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021, objeto da Ação de Improbidade Administrativa acima mencionada”.

Sobre os outros fatos que eventualmente possam ser alvo de questionamentos pelos senadores, a situação de Mayra Pinheiro permanece a mesma determinada por Lewandowski na decisão da última terça-feira. De acordo com o ministro, ela deve “quanto ao mais, pronunciar-se sem reservas, especialmente acerca de sua atuação na Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde, vinculada ao Ministério da Saúde, bem assim sobre as demais questões que vierem a ser formuladas pelos parlamentares”.

spot_img

More articles

- Advertisement -

Latest article